Fígado

img-figadoCirurgia convencional ou minimamente invasiva de:

  • Nódulos benignos: diagnóstico diferencial e tratamento clínico ou cirúrgico dos diferentes tumores benignos do fígado como os:
  1. Hemangiomas: mais frequentes e normalmente assintomáticos, não possuem capacidade de se tornarem doenças malignas e normalmente não demandam conduta cirúrgica.
  2. Hiperplasia nodular focal: nódulos benignos e também sem capacidade de se tornarem malignos, não demandam conduta cirúrgica, porém podem ser confundidos com adenomas por causa do tamanho da lesão e pela semelhança, por isso a necessidade de haver o diagnóstico correto.
  3. Adenomas hepáticos: lesões benignas, porém com potencial variável de se transformarem em câncer do fígado. Possuem indicação de cirurgia de retirada segundo critérios específicos como sexo do paciente, tamanho da lesão e antecedentes familiares . A via cirúrgica minimamente invasiva é a preferência nestes casos
  • Nódulos malignos:
  1. Tratamento das metástases hepáticas: alguns cânceres, embora metastáticos, ainda permitem opções de tratamento com intenção de cura, sendo o mais comum o câncer do intestino grosso (colo -retal) com metástase hepática isolada. O tratamento tem várias frentes e envolve a cirurgia para retirada não apenas do tumor primário, como também das metástases no fígado, permitindo oferecer chance real de cura ao paciente.
  2. Tratamento dos tumores malignos primários do figado:  como exemplo temos os colangiocarcinomas e o hepatocarcinomas (HCC), tumores primários do fígado que tem na cirurgia seu tratamento curativo